Versos Íntimos

Vês?! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão — esta pantera —
Foi tua companheira inseparável!

Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.

Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.

Se a alguém causa ainda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

Pau d’Arco, 1906 – Augusto dos Anjos

Publicado no livro Eu (1912).

O Mito de Sisífo

tumblr_nhfco8ydmv1t6s4oeo1_1280

 

Sísifo foi aquele que sofreu por ser astuto demais, e ter se esquivado das garras de um destino cruel. Condenado pelo deus dos deuses a rolar infinitamente uma pedra até o topo de uma montanha, até que uma “força” irreversível a fizesse  rolar de volta ao ponto de partida.

Talvez umas das melhores metáforas já encontradas para definir o que significa ser humano: imutável e sob domínio de uma força maior, ou algum ser maior ainda.